quarta-feira, 31 de maio de 2017

cacos e outros pedaços

Do Cassionei Petry li o romance "Os óculos de Paula", de 2014, e os contos reunidos em "Arranhões e outras feridas", de 2012. Recentemente ele lançou uma nova coleção de contos curtos (só dois têm mais que oito laudas, vários não mais que cinco e os menores não mais que uma ou duas). Já registrei aqui o entusiasmo do Cassionei pelo ofício da escrita, seu amor à literatura, sua disciplina, ambição e projetos (é possível acompanhar sua produção literária no blog "Cassionei lê e escreve"). "Cacos e outros pedaços" reúne vinte histórias, que ele classificou em três conjuntos: Eles em pedaços, Eu em pedaços, Vidas em pedaços. São histórias que flertam com o surrealismo, com o fantástico, com o humor contido, com o registro de um estranhamento ou inadequação. Parecem exercícios, sempre uma cousa boa. À experiência pessoal Cassionei acrescenta invenção e técnica, construindo narrativas quase sempre interessantes, poderosas. Várias delas envolvem um  protagonista que precisa enfrentar fantasmas do passado, fazer balanço de pretéritas escolhas, reagir rapidamente ao acaso. Os contos mais extensos são os que mais gostei: "Gabriel", "Mikaela" e "Lá em cima". São histórias que tratam literariamente temas arquetípicos, seja a brutalidade do processo de socialização que todos experimentamos na infância, ou o dilema moral intrínseco das convenções sociais, num mundo povoado por tribunais de correção política ou ainda a imaginação infantil como antídoto para o medo, como encontramos em todos os contos de fada. Vamos a ver o que esse sujeito inquieto nos apresentará em sua próxima fornada (Ele vive escrevendo que abandonará a literatura, mas eu duvido).
[início - fim: 31/03/2017]
"Cacos e outros pedaços", Cassionei Niches Petry, Guaratinguetá: Editora Penalux, 1a. edição (2017), brochura 14x21 cm., 92 págs., ISBN: 978-85-5833-152-4

3 comentários:

Cláudio B. Carlos disse...

“Gabriel” é, mesmo, muito bom.

Cassionei Petry disse...

Obrigado por mais esta leitura. Obrigado ao Cláudio B. Carlos também.

Tiago Cysne disse...

Muito bom.